A avaliação imobiliária é hoje, para as instituições financeiras, pessoas físicas e jurídicas, uma grande ferramenta de valoração, que possui várias finalidades, tais como locação, aquisição, doação, alienação, dação em pagamento, permuta, garantia, fins contábeis, seguro, arrematação, adjudicação, dentre outros.

A avaliação de imóveis é regida pela NBR (Norma Brasileira) 14653, que é constituída pelas seguintes partes, sob o título geral “Avaliações de bens”:

  • Parte 1: Procedimentos gerais;
  • Parte 2: Imóveis urbanos;

A parte 1 da NBR 14653 (homologada no ano de 2001) apresenta diretrizes para os procedimentos de excelência relativos ao exercício profissional e é exigível em todas as manifestações técnicas escritas vinculadas às atividades de engenharia de avaliações.

A parte 2 da NBR 14.653 (homologada no ano de 2004) tem a validade desde o dia primeiro de julho de 2004 e traz um grande número de informações, bem como conceitos novos. Mais ainda, a referida norma abre espaço para outras ferramentas de análise de dados (além de “tratamento por fatores” e da “inferência estatística”), como redes neurais, regressão espacial e análise de envoltória de dados. Esta parte da norma, portanto, visa complementar os conceitos, métodos e procedimentos gerais para os serviços técnicos de avaliação de imóveis urbanos.

Ao lado dos principais fatores do valor das coisas – a utilidade, a raridade e o desejo de obtenção ou procura – a avaliação imobiliária envolve conhecimentos pertinentes à topografia e mecânica dos solos, técnicas construtivas, custos de construção, materiais de construção, instalações elétricas e hidráulicas, arquitetura e urbanismo, legislação e ocupação do solo, estatística e economia, dentre outros.

Estas disciplinas são pertinentes à área de formação da arquitetura e da engenharia civil, portanto as avaliações imobiliárias devem ser realizadas por engenheiros civis ou arquitetos. Assim também entende nossa legislação, de acordo com a lei nº 5.194/66, em seu artigo 7º,

“As atividades e atribuições do engenheiro, do arquiteto e do engenheiro agrônomo consistem em:

a)    …..;

b)    ……;

c)    Estudos, projetos, análises, avaliações, vistorias, perícias, pareceres e divulgação técnica.”

Portanto, as avaliações imobiliárias efetuadas por profissionais que não são engenheiros ou arquitetos não possuem valor legal, sendo nulas de pleno direito.

Avaliação de bens com Qualidade

Atendemos todo o Brasil!